Olha Maria

Antônio Carlos Jobim, Chico Buarque & Vinícius De Moraes

Olha, Maria 
Eu bem te queria 
Fazer uma presa 
Da minha poesia
Mas hoje, Maria 
Pra minha surpresa
Pra minha tristeza 
precisas partir

Parte, Maria 
Que estas tao bonita
Que estas tao aflita 
Pra me abondanor
Sinto, Maria
Que estas de visita
Teu corpo se agita
Querendo dancar

Parte, Maria
Que estas toda nuda
Que a lua te chama
Que estas tao mulher
Arde, Maria
Na chama da lua
Maria cigana
Maria mare

Parte cantando
Maria fugindo
Contra a ventania
Brincando, dormindo
Num colo de serra
Num campo vazio
Num leito de Rio
Nos bracos do mar

Vai, allegria
Que a vida, Maria
Nao passa de um dia
Nao vou de prender
Corre, Maria
Que a vida nao espera
E uma primavera
Nao podes perder

Anda, Maria
Pois eu so teria
A minha agonia 
Pra te oferecer

Look, Maria
I wanted to
Make you a prey
In my poetry
But today, Maria
To my surprise
To my sorrow
You have to leave

Part, Maria
You are so beautiful
You are so willing
To abandon me
I feel, Maria
That you are a visitor
You body wants to move,
Wants to dance

Part, Maria
You who are totally naked
The moon calls you
You are so woman
Burn, Maria
In the flame of the moon
Maria you gypsy
Maria you tide

Part singing
Fleeing Maria
Agianst the wind
Playing, sleeping
In the lap of  the hill
In an empty field
In the bed of the river
In the arms of the sea

Go, joy
Because life, Maria
Won’t last a day
I won’t keep you
Run, Maria
Life won’t wait
It’s a spring
You cannot miss it

Go, Maria
Because I would have only
My agony
To offer you


Consolação & Berimbau

Baden Powell & Vinícius De Moraes

Se não tivesse o amor
Se não tivesse essa dor
E se não tivesse o sofrer
E se não tivesse o chorar
Melhor era tudo se acabar

Eu amei, amei demais
O que eu sofri por causa do amor
Ninguém sofreu
Eu chorei, perdi a paz
Mas o que eu sei
É que ninguém nunca teve mais
Mais do que eu

Quem é homem de bem não trai
O amor que lhe quer seu bem
Quem diz muito que vai, não vai
Assim como não vai, não vem
Quem de dentro de si não sai
Vai morrer sem amar ninguém
O dinheiro de quem não dá
É o trabalho de quem não tem
Capoeira que é bom, não cai
E se um dia ele cai, cai bem

Capoeira me mandou
Dizer que já chegou
Chegou para lutar
Berimbau me confirmou
Vai ter briga de amor
Tristeza camará

If there was no love
The this pain didn’t exist
And if there was no suffering
And if there was no crying
It would be better that everything ended

I have loved, loved too much
So much as I suffered for love
Nobody has
I have cried, I lost my peace
But the thing I know
Is that no one has had more
More than me

The man who’s good does not betray
The love that only wants his best
He who says he will go, does not go
Like he never goes, he never comes
He who does not leave himself
Will die without really loving anyone
The money from the one who does not give
Is the work of the one who does not have
A good capoeira, does not fall
And if he falls one day, he falls well

Capoeira asked me
To tell you he has arrived
Arrived to fight
Berimbau affirmed me 
There will be a fight for love
Sadness my love


Valsa De Eurídice

Vinícius De Moraes

Tantas vezes ja partiste
Que chego a desesperar
Chorei tanto, estou tao triste
Que ja nem sei mais chorar
Ah, minha amado, nao parta
Nao parta de mim
Ah, uma partida
Uma dor que nao tem fim
Nao ha nada que conforte
Ah, falta dos olhos teus
Pensa que a saudade
Mais do que a propria morte
Pode matar me adeus

So many times you have left
That I come to despair
I cried so much, I’m so sad
That I cannot cry anymore
Ah, my love, don’t leave
Don’t leave me
Ah, a departure
A pain without an ending 
Nothing to soften
Ah, the absence of your look
Know that this longing
More than my own death
Can kill me farewell


Capivara

Hermeto Pascoal

Tow-pa-pway-dum-ye-ba-de-yum-tow!

Capivara

Canção Do Amor Ausente 

Baden Powell & Vinícius De Moraes

Ó mulher
Tu que criaste o amor
Aqui estou eu tão só
Na imensa treva
Da tua ausência
Mulher canção
Noturna flor do adeus
Vem me matar de amor
De amor nos braços teus

É tanto meu amor tanto por ti
Que não há dor maior
Do que eu vivi
A dor desta separação
Ouvindo o próprio coração
Bater cada minuto em vão
A tua ausência

Ai, quem me dera dar-me toda a ti
Ai, quem me dera o tempo que perdi
Ai, quem me dera ser o ar
Que ao menos roça os lábios teus
E te beijar mais um adeus

Oh woman 
You who create the love
Here I am totally alone
In the immense darkness
Of your absence
Woman song
Nightly flower of the farewell
Come and kill me of love
The love of your arms

My love for you is such
That there’s no greater pain
Than the one I’ve lived
The pain of this seperation
Listening to my own heart
Beating in vain each minute
Of your absence

Oh, I wish I’d give myself completely to you
Oh, I wish the time that I’ve lost
Oh, I wish I was the air
That at least touches your lips
And kiss you another goodbye

Deixa Eu Dizer

Ivan Lins

Deixa, deixa,
Deixa eu dizer
O que penso desta vida
Preciso demais desabafar!

Suportei meu sofrimento
De face mostrada e riso inteiro
Se hoje canto meu lamento
Coração cantou primeiro
E você não tem direito
De calar a minha boca
Afinal me dói no peito
Uma dor que não é pouca
Tem dó!

Let me, let me,
Let me tell you 
What I think about this life
I need to unburden!

I carried my suffering
With open face and full smile
And today I am singing my complaint
My heart sang first
And you don’t have the right 
To keep my silent
After all my chest hurts 
A pain that isn’t little
Have pity!


Linha De Passe

João Bosco, Aldir Blanc & Paulo Emílio

Too much slang for a proper translation.


É De Manhã

Caetano Veloso

É de manhã
É de madrugada
É de manhã
Não sei mais de nada
É de manhã
Vou ver meu amor

É de manhã
Vou ver minha amada
É de manhã
Flor da madrugada
É de manhã
Vou ver minha flor

Vou pela estrada
E cada estrela
É uma flor
Mas a flor amada
É mais que a madrugada
E foi por ela
Que o galo cocorocô

It’s morning
It’s dawn
It’s morning
I know nothing anymore
It’s morning
I will see my love

It’s morning
I will see my loved one
It’s morning
Flower of dawn
It’s morning
I will see my flower

I’m on my way
And every star 
Is a flower
But the loved flower 
Is more then dawn
And it was for her
The rooster cries


Verde

Eduardo Gudin & José Carlos Costa Netto

Quem pergunta por mim
Já deve saber
Do riso no fim
De tanto sofrer
Que eu não desisti
Das minhas bandeiras
Caminhos, trincheiras, da noite

Eu que sempre apostei
Na minha paixão
Guardei um país   
No meu coração
Um foco de luz
Seduz a razão
De repente a visão da esperança!

Quis este sonhador
Aprendiz de tanto suor
Ser feliz num gesto de amor
Meu país acendeu a cor

Verde as matas no olhar
Ver de perto
Ver de novo um lugar
Ver adiante
Sede de navegar
Verdejantes tempo
Mudança dos ventos no meu coração

The one who asked for me
Shall already know
The end of my smile
Because off so much suffering
I didn’t gave up
My flags
Roads, trenches, the night

I who always went 
For my passion
I kept a country 
In my heart
A light beam
Seduces the reason
And at ones I saw the hope!

I wanted this dreamer
Who learned through sweating a lot
To be happy as a gesture of love
My country has embraced this colour

Green like the trees out of side 
Are near
See this place differently
See further
The urge to sail
Green times
Changed the wind in my heart


Catavento E Girassol

Guinga & Aldir Blanc

Meu catavento tem dentro
O que há do lado de fora do teu girassol
Entre o escancaro e o contido
Eu te pedi sustenido e você riu bemol
Você só pensa no espaço
Eu exigi duração
Eu sou um gato de subúrbio
Você é litorânea

Quando eu respeito os sinais
Vejo você de patins vindo na contramão
Mas quando ataco de macho
Você se faz de capacho e não quer confusão
Nenhum dos dois se entrega
Nós não ouvimos conselho
Eu sou você
Que se vai no sumidouro do espelho

Eu sou do Engenho de Dentro
E você vive no vento do Arpoador
Eu tenho um jeito arredio
E você é expansiva o inseto e a flor
Um torce pra Mia Farrow
O outro é Woody Allen
Quando assovio uma seresta
Você dança havaiana

Eu vou de tênis e jeans
Encontro você demais, scarpin, soiré
Quando o pau quebra na esquina
Cê ataca de fina e me ofende em inglês
É 'fuck you' bate bronha
E ninguém mete o bedelho
Você sou eu
Que me vou no sumidouro do espelho

A paz é feita num motel
De alma lavada e passada
Pra descobrir logo depois
Que não serviu pra nada
Nos dias de carnaval
Aumentam os desenganos
Você vai pra Parati
E eu pro Cacique de Ramos

Meu catavento tem dentro
O vento escancarado do Arpoador
Teu girassol tem de fora
O escondido do Engenho de Dentro da flor
Eu sinto muita saudade
Você é contemporânea
Eu penso em tudo quanto faço
Você é tão espontânea

Sei que um depende do outro
Só pra ser diferente, pra se completar
Sei que um se afasta do outro
No sufoco, somente pra se aproximar
Cê tem um jeito verde de ser
E eu sou meio vermelho
Mas os dois juntos se vão
No sumidouro do espelho

My pinwheel has inside
What’s on the outside of your sunflower
Between the boundless and the restrained
I asked you for sharpand you laughed flat
You only think of the space
I demanded duration
I’m a cat from the outskirts
You’re a coastal girl

While I obey traffic lights
I see you coming on skates against traffic
But when I come on as a tough guy
You play the doormat and don’t want any trouble
Neither of us gives in
We don’t listen to advice
I’m the you
That’s sucked through the drain in the mirror

I’m from Engenho de Dentro
And you live in the wind of Arpoador
I’m withdrawn by nature 
And you’re expansive the insect and the flower 
One sides with Mia Farrow
The other with Woody Allen
When I whistle a seresta
You dance the Hawaiian hula

I go in sneakers and jeans
I find you overdressed, stilettos, evening gown
When we fight on the street corner
You put on airs and insult me in English
It’s ‘fuck you' screw off 
And no one dares interfere
You’re me 
That’s sucked through the drain in the mirror

We make peace in a motel
Souls washed and ironed
Just to realize right after
That it was all for nothing
During the days of carnival
The disillusion grows deeper
You go to Parati
And I to Cacique de Ramos 

My pinwheel has inside
The boundless wind of the Arpoador
Your sunflower has on the outside
What’s hidden from the mill within the flower
I ache with saudade
You’re modern
I think carefully about everything I do
You’re so spontaneous

I know each one depends on the other
Just to be different, to complete another
I know we distance ourselves from one another
During hard times, only to grow closer
You have a green way of being
And I’m kind of red
But together we go
Through the drain in the mirror